Links da semana: calorias, calorias & 30kg

2 de junho de 2017

Links da semana: Leite, livro e Dráuzio

2 de junho de 2017

Meu café adoçado

2 de junho de 2017
comalimentar
comalimentar
mitos

Você adoça seu cafézinho com açúcar?

Muitas pessoas quando chegam no consultório comentam que não conseguem ficar sem o açúcar do café, e lutam de todas as maneiras para evitar esse hábito. Mas seria esse um real problema?

Depende.

Se você toma litros de café com quilos de açúcar, realmente você pode repensar sobre isso. O consumo de açúcar em excesso nunca vai deixar de ser um problema, e precisamos aprender a conviver com alimentos menos açucarados.

Porém, se você toma 1 ou 2 cafézinhos diários, talvez esse não seja a real questão.

Já recebi muitas pessoas que se desgastam muito com o açúcar do café. Mas esquecem de olhar a alimentação de maneira geral. Será que é o açúcar do café que você está tomando que te faz mal, ou seria todo o açúcar ‘oculto’ nos produtos que você compra achando que são super legais?

Talvez aqueles dois sachês diários de açúcar no café não tem que ser o foco da sua alimentação. A gente tem o costume de olhar para nossas refeições pontualmente, sem pensar que as refeições interagem entre si e que o que faz diferença é o dia após dia, e não uma única refeição ou alimento de maneira isolada.

E como você pode saber se o açúcar do café está te prejudicando tanto?

Antes de mais nada, considere procurar um (bom) nutricionista. E avalie alguns pontos:

– Quanto alimento industrializado você comido. Falo dos ultraprocessados, e se incluem nesse grupo todos aqueles produtos que você comprou na loja especializada em alimentação natural, ou que tem o nome de integral/fit/healthy na embalagemcafe1

– Qual a frequência do consumo de frutas e verduras (in natura)

– Você toma café com açúcar pelo café ou pelo açúcar? Muita gente toma café com açúcar para não comer chocolate ou uma sobremesa… e talvez esse hábito não seja tão inteligente.

O quanto de café você toma diariamente

O quanto de açúcar você coloca no café

– Você toma café porque gosta de café, ou para dar aquela ‘desanuviada’ no meio do trabalho? As vezes o café é só aquele break que você precisa dar no meio do trabalho, para poder relaxar e depois voltar as obrigações

Se você avaliou tudo e continua acreditando que toma muito café no açúcar, eu também tenho algumas recomendações.

Converse com seu nutricionista para saber qual a melhor estratégia para você, e para avaliar se realmente está rolando um excesso;

– Vá reduzindo aos poucos a quantidade. De café ou de açúcar. O que é mais fácil para você? Abrir mão de um café ou de 1/2 sachê de açúcar?

Não troque o açúcar por adoçante (a não ser que isso envolva alguma questão patológica). Você está trocando o açúcar por outra substância doce. A idéia é desabituar seu paladar a esse sabor adocicado.

Coloque menos café na xícara. Comece diminuindo 1/4, depois diminua um pouco, até chegar na sua meta final;

Observe como você lida com outras bebidas: você também as adoça? Será que exagera também nos outros horários? Conseguiria diminuir essa quantidade de açúcar?

Esse direcionamento já pode te ajudar a traça um caminho para o que te incomoda. Mas o mais importante é lembrar que nunca um alimento só é o responsável por um quadro geral. Temos que olhar nossa alimentação de maneira global, e não pontualmente.

Peça também ajuda do profissional que te acompanha. Ele é o mais indicado para isso!

Até a próxima!

– Pra animar a sexta feira…

__

Observações: amantes de café não curtem que a gente coloque açúcar. Dizem que estraga a bebida. Eu entendo o lado deles: não entendo quem, por exemplo, coloca açúcar no suco de laranja – acho que rouba o sabor.

Mas eu coloco açúcar no café, admito.

Enquanto pesquisava para esse texto, vi que existe um estudo que mostra o porque colocamos açúcar no café. Não é somente por gostar mais de açúcar (ter um sweet tooth). O açúcar modifica (reduz) o amargor do café porque cafeína, açúcar e água interagem de uma maneira que ocorre o bloqueio do amargor característico da bebida. E essa modificação molecular chega as nossas papilas gustativas.