Opinião: Veja e os médicos que receitam bombas

19 de dezembro de 2013

12 metas para 2014

19 de dezembro de 2013

Despedindo de 2013: Educando com pastel e caldo de cana

19 de dezembro de 2013
empty image
empty image
O blog vai dar uma paradinha no final de ano… Para refletirmos sobre 2013 e tudo o que tentei mostrar para vocês, vai um texto excelente abaixo! Estou de volta a partir de janeiro. No instagram ( @naocontocalorias) vou continuar postando algumas dicas- em ritmo mais lento, mas vou postar :)

Beijos!
Vocês já leram algo e pensaram ‘poxa vida, eu poderia ter escrito esse texto!’ porque concordaram com tudo que estava escrito? Aqui abaixo está algo que li hoje no facebook do nutricionista Henrique Soares – que foi compartilhado por uma amiga querida (beijos Gabys). 
 
Aliás, vale a pena entrar no blog dele (principalmente as nutris!). O endereço é http://riquenutri.blogspot.com.br/?m=1

 

“Educando com pastel e caldo de cana
 
Quem me conhece sabe que tudo na minha vida é motivo para educar, tentar transmitir algo para as pessoas, então vamos lá. A postagem aqui abaixo na minha página mostra eu e minha esposa Lilian Camila Freire Nutricionista consumindo pastel com caldo de cana hoje a tarde. Comecemos areflexão:
 
1 – Ao nosso lado na pastelaria, havia uma rapaz, com IMC provavelmente que superava a casa dos 40, e ele consumia uma cestinha com 2 pastéis e um caldo de 500ml.

 

Porque comecei assim. Porque a nossa forma de ver alimentos e nutrição, muitos de vocês já me viram e ouviram falar disso, é: para quem, quanto, em que momento, se deve consumir qualquer coisa. Vcs também já me conhecem e sabem que minha visão de ser nutricionista é exatamente a de poder levar as pessoas a chance de consumir de tudo um pouco, que na vida, tudo, se for moderado, sem extremos, é possível de ser apreciado. Daí já tiramos a primeira mensagem, eu como pastel com caldo de cana porque acho que há momento para tudo.

 

A relação com o rapaz ao nosso lado:

 

Nós chegamos nas pastelaria depois de andar do nosso apartamento até o metro, descer na rodoviária, ir ao Conjunto Nacional (shopping), andar por 3 andares em varias lojas, sempre subindo e descendo de escadas, nunca de rolante. Voltamos a rodoviaria, fomos ao NA Hora, subsolo, sempre descendo de escada, depois voltariamos até a plataforma superior para ir a papelaria. No total, devemos ter andado pelo menos 4 KM a pé, exercendo trabalho de força e resistencia associado ao aeróbio. No total daria um predio de 6 andares. Ou seja, não há preocupação com valor calórico da preparação, se era fritura ou não, nós precisávamos naquele momento de uma boa carga glicêmica, de proteínas de reposição; e mais, nossas mitocôndrias estavam ávidas e capazes para oxidar aqueles nutrientes. E aí também entra a comparação com o rapaz ao nosso lado. Escolhemos dividir um copo de 300ml de suco de cana, enquanto ele, provavelmente com baixa capacidade oxidativa, escolheu comer mais pasteis do que nós, e mais açúcar, nós optamos por um consumo mais moderado. Esta é uma diferença importante, seu corpo está preparado para consumir que quantidade de nutrientes? Por isso as dietas são individualizadas.

 

Além disso, logo pela manhã, nós, eu e Lilian, garantimos o nosso processo de destoxificação da acroleina que viria no pastel com um copo de água batida com couve, gengibre e limão, e alho no intervalo da manhã, pois fazemos nossas preparações desintoxicantes diariamente, e quem me conhece sabe que não fazemos a chamada “dieta detox” e já expliquei bioquimicamente isso diversas vezes, que acredito na desintoxicação diária, a todo instante, e não somente dieta detox por um determinado período. Nossos reticulos não estavam estressados porque cuidados deles diariamente, nosso sono foi tranquilo e já haviamos malhado pela manhã. Eu corri 8 Km e ela fez um trabalho misto. Tinhamos alvará para consumir pastel com caldo de cana. As pessoas ativas em geral tem mais liberdade alimentar, ou deveriam ter, esta é nossa visão, dietas rígidas demais são chatas.

 

Além disso, também defendo a idéia que metabolicamente todos nós devemos ter a nossa “refeição lixo”, ou seja, que há momento pra promover prazer máximo e reset metabólico com uma refeição não muito saudável, mas que o seu corpo precisa dela, e a capacidade dela de produzir hormonios do prazer, do relaxamento, que aquele momento e exige e você nada sentirá de efeitos nocivos.

 

Além disso, não somos alérgicos ao gluten, não somos alérgicos a proteina do leite, produzimos lactase naturalmente, e não somos hipersensiveis a estes ingredientes porque consumimos raramente. Comíamos lentamente, mastigando, produzindo nossa enzimas, as compras estavam feitas, olhávamos para as pessoas, curtíamos um ao outro, curtíamos estar na pastelaria famosa de tanta história, relembrávamos nossas vidas, curtíamos que o chique é ser simples, paramos um breve momento no tempo e espaço apenas para ouvir as batidas de nossos corações, curtíamos estar vivos, curtíamos a vida. 

 

Coma comida de verdade. Não coma com culpa. Coma com prazer, preparado metabolicamente para o que vai ingerir. Quem pode comer o que, em que quantidade, em que momento, e por ai vai. São sempre as perguntas a serem respondidas. Procure o seu nutricionista.”
 
Esse texto ilustra justamente o que eu penso sobre comida: não existe certo ou errado, existe hora certa, quantidade certa e momento certo. Não é porque você comeu 1 pastelzinho que vai morrer de infarto e causar um verdadeiro reboliço metabólico no seu corpo. Não é porque você comeu um pedaço de pizza no domingo que deve fazer 1 semana de ‘detox’. O equilíbrio é a chave da vida. Muitas pessoas insistem em dizer que se cuidam demais e que isso não é paranóia, é ‘lifestyle’. Pois bem, viver com o verdadeiro equilíbrio, se cuidar e comer um pastel com caldo de cana também é um ‘lifestyle’. Não há nenhum absurdo em ter prazer no que todo mundo condena de vez em quando!

Beijos,

Feliz Natal e um ótimo ano novo!

Marina