Standard post

1 de dezembro de 2014

Tô com fome!

1 de dezembro de 2014

Dia Mundial de Combate a AIDS

1 de dezembro de 2014
empty image
empty image

Hoje é dia mundial do combate a AIDS.

diamundialaids

A AIDS é causada pelo vírus HIV – um vírus que ataca as células do sistema imune, deixando o corpo vunerável a infecções e outros problemas de saúde. É como se você vivesse sempre a deriva de uma simples gripe se transformar em algo sério.

Algumas pessoas podem ter o vírus HIV e não manifestar nenhum sintoma da doença. Outras podem ter o HIV e ter as doenças relacionadas: isso é AIDS – ou seja, existe uma diferença entre ter o vírus HIV e ter AIDS.

Pacientes HIV positivo ou portadores de AIDS devem sim dar atenção a alimentação!  Tanto a presença do vírus quanto os medicamentos utilizados podem modificar o perfil metabólico dos portadores.

Na simples presença do HIV, principalmente se há uma carga viral alta, o corpo pode apresentar sintomas como aumento do colesterol, intolerância a glicose e stress oxidativo. O aumento do colesterol pode ser ajustado com uma alimentação equilibrada e sobretudo com a prática de atividades físicas orientadas e regulares, assim como a intolerância a glicose. No stess oxidativo*, o papel da nutricionista é fundamental, ajustando a alimentação com antioxidantes capazes de minimizar as consequências da ‘festa’ que os radicais livres fazem no corpo do portador de HIV.

ANTIOXIDANTES

Os tratamentos de HIV e AIDS também tendem a aumentar os níveis de triglicérides, colesterol e glicemia. Entendeu que o papel do nutricionista também é importantíssimo nesses casos?

Além disso, o tratamento leva a um quadro chamado lipodistrofia, que é a má distribuição de gordura corporal.

Os sinais mais comuns são a perda de gordura no rosto, glúteos, pernas e braços e acúmulo de gordura no abdômen, costas, pescoço e mamas. Essa lipodistrofia tem consequências para saúde (aumento das taxas de colesterol, elevação da insulina e glicose, etc) e um profundo desconforto com o próprio corpo. Talvez esse seja mais um impulso para vários portadores de HIV/AIDS (principalmente jovens) procurarem cada vez mais a prática de atividades físicas associada a dietas e suplementação.

E é aí que vem o perigo…

Infelizmente algumas orientações nutricionais passadas não tomam o cuidado suficiente com os portadores de HIV/AIDS, que tem características peculiares e que devem ser respeitadas. Assim como qualquer pessoa que tem a saúde fragilizada, a atenção deve ser redobrada na hora de aconselhar qualquer direcionamento alimentar, e principalmente no quesito suplementação. Atividades físicas podem e devem ser feitas (sob orientação claro), mas também devem cumprir seus limites, principalmente respeitando a imunodeficiência característica da doença. Sabemos que atividades físicas extenuantes podem levar a uma ‘queda’ na imunidade: o que pode ser grave para essa população. E que o uso de suplementos pode piorar o quadro metabólico em vários sentidos.

Por isso é importante lembrar seeeeempre de consultar seu médico e uma nutricionista de confiança!

E todo mundo já sabe que a melhor forma de combater a doença e prevenindo, e que o preconceito não leva ninguém a lugar nenhum.

prevençãohiv

Post escrito com a colaboração da médica infectologista Dra. Betânia Nogueira (minha prima amadaaaa! <3)

Espero que tenham gostado!

Até a próxima!

Beijos,

 *O stress oxidativo é um quadro onde há geração de radicais livres em maior quantidade, e o problema dos radicais livres é que eles atrapalham o funcionamento correto das nossas células, podendo levar desde envelhecimento precoce até graves problemas cardiovasculares, câncer e outros.