O detox que vale a pena

23 de fevereiro de 2015

Se alimente de atitudes

23 de fevereiro de 2015

Vou contar sobre a dieta alcalina

23 de fevereiro de 2015
empty image
empty image

Ontem senti uma vergonha alheia muito grande. Pra falar a verdade, eu já ficava muito comovida com toda essa história de dieta alcalina… Me causava um misto de vergonha, de pena, sei lá… uma coisa muito maluca. Mas ontem foi pra colocar de vez esse post no ar.

dietaalcalina

Estava a toa em casa, vendo umas fotos do instagram (sabe quando a gente vai clicando em uma pessoa, aí vai em outra, depois em outra, depois em outra) e caí num perfil fitness de uma estudante de nutrição. Até aí ok. Fui ver as coisas que ela aconselhava. Dentre alguns absurdos como dietas hiperproteicas, detox e etc… vi uma postagem que dizia que limão com água em jejum é excelente para eliminar toxinas, aumentar o metabolismo e REGULARIZAR O pH.

Bem, pesquisando mais um pouco, vi que a pessoa ainda está no começo/meio do curso de Nutrição, então pensei que ela deve estar com a cuca fresca dos ensinamentos de bioquímica e fisiologia – matérias das quais, estudamos toda a regulação de pH do nosso corpo. Aí veio aquela dor no coração e a pergunta: mas será que ela matou aula minha gente? Afinal, eu até entendo uma pessoa que já saiu dessa parte ter que recorrer a bibliografia para estudar (essa parte da química é a treva!). Mas um ‘recém estudado’? Não dá né!

E então resolvi escrever sobre esse maravilhoso (#sqn) método de cura e emagrecimento chamado DIETA ALCALINA.

maisumadieta

O que é a dieta alcalina?

Aparentemente uma dieta feita por atrizes de Hollywood, praticantes de métodos alternativos de alimentação (dieta ayuvedica, por exemplo) e outras pessoas em busca de saúde e controle do peso. Ela consiste em eliminar alimentos que ‘acidifiquem’ seu sangue. Isso tudo porque o ‘ambiente ácido’ é mais propício para doenças se manifestarem.

O que é ácido, base, pH e etc?

O pH é a maneira de medir concentração de íons de Hidrogênio em um meio. Se o ambiente tem um pH alto (acima de 7), ele é básico (ou alcalino). Se o ambiente tem um pH baixo (abaixo de 7) ele é ácido. Se tem o pH = 7, é neutro. Nosso sangue, por exemplo, tem um pH próximo de 7,4 e existem mecanismos biológicos SUPER REFINADOS que mantém o pH sanguíneo nessa faixa. Afinal, se você tem uma variação grande de pH (através do mau funcionamento desses processos – que chamamos de tampões) sofrerá de vários sintomas e pode ir, inclusive, para o outro lado da luz.

Porque a dieta alcalina é ‘indicada’?

O objetivo pregado por essa dieta é favorecer a manutenção do equilíbrio entre ácidos e bases através da alimentação, deixando o ambiente mais alcalino (ou seja, menos ácido). Aparentemente, o ambiente ácido favorece o aparecimento de várias doenças. Só que, como citei acima, somos biologicamente preparados para manter esse pH num nível estável (7,4). A não ser que você esteja com sérios problemas de saúde. Ou seja, falando de maneira prática, a dieta alcalina recomenda a ingestão de alimentos que aumentem a alcalinidade do organismo. Porém, nosso corpo trabalha dia e noite para manter o pH estável e uma dieta pode ser capaz de provocar alcalose ou acidose, mas é MUITO complicado e sua saúde será MUITO prejudicada (e não, isso não te deixará livre de doenças, muito pelo contrário).

Sabemos que a alimentação atual (cheia de produtos processados) pode produzir uma urina levemente mais ácida. Mas esse pequeno desvio não é sinal de que o seu corpo está ‘ácido’, muito pelo contrário: sinal que seus rins estão filtrando um possível e pífio excesso de ácidos dos nossos fluidos corporais. Ou seja: se os seus sistemas tampões estão funcionando bem (ou seja, se você não tem nenhum sintoma característico de acidose ou alcalose), seu corpo fará de tudo e mais um pouco para manter o pH na faixa adequada, e uma das maneiras de fazer isso é: fazendo um xixi mais ácido. E não, essa ‘luta’ do corpo não faz você adoecer mais ou menos (a não ser que seja de maneira completamente absurda, coisa que não acontece nas dietas).

Kits de teste que medem o pH da urina não transmitem informações reais sobre o pH corporal. É verdade que alimentos, bebidas e alguns suplementos podem afetar a acidez (ou não) da urina, mas este é o único fluido de fato afetado. O excesso de ácidos ou bases são excretados na urina para auxiliar o pH normal do corpo 

Além disso, a indicação da dieta tem outro motivo: como já é habitual, muitos daqueles que defendem esse tipo de teoria também vendem ou recebem algo através da comercialização de produtos paralelos que ajudam a seguir esses tipos de dieta (tratamentos, suplementos, águas alcalinas e etc).

milagres

Dieta alcalina e Câncer

Entendo a dor que é passar pelo câncer, não só na forma da sua doença, como no seu tratamento. Quem sofre deste problema fica se perguntando o motivo para a sua aparição, e quer de qualquer maneira combater o problema com vários tipos de alternativas. Uma delas é a dieta alcalina.

Baseado num modelo químico que verificou que células cancerígenas se multiplicam mais em meio ácido, alguns profissionais (não sei nem se posso chamá-los assim) insistem em vender a dieta alcalina como solução para o câncer. Mas esse experimento foi feito ‘in vitro’ ou seja: no laboratório, em tubos de ensaio. Além de expor as células a patamares de pH nos quais o corpo não vai conseguir se manter vivo, sabemos que o ambiente ‘in vitro’ é completamente diferente do nosso ambiente biológico.

E para completar, é desconhecido o uso de estudos epidemiológicos bem controlados para justificar a indicação de tal dieta. Para quem tiver mais curiosidade, sugiro a leitura do comunicado lançado pelo American Institute of Cancer Research aqui, além de outros artigos interessantes (mas atenção para os artigos, tem muita porcaria científica!).

E dá para aproveitar algo da dieta alcalina?
Sim, claro! Mas não pelo fato de auxiliar ou atrapalhar no seu pH, mas pelos bons hábitos que essa dieta prega. O consumo de alimentos processados, embutidos, açúcar, carne e sal em excesso; gorduras trans, refrigerantes, adoçantes, bebidas alcóolicas devem ser evitados. Nada fora do ‘normal’ né? No outro lado da linha, frutas, grãos, sementes, vegetais crus, alimentos integrais, etc são recomendados.

O que podemos concluir é que não existe milagre. O importante é sempre duvidar de métodos revolucionários, de promessas de ‘detoxificação’, de alimentos que fazem isso ou aquilo, de restrições sem pé nem cabeça, de dieta hollywoodiana e por aí vai!

Beijos,

Ps: quanto a medicina alternativa, não tenho absolutamente NADA contra. Inclusive tenho o meu lado ‘homeopático’. Mesmo sendo uma pessoa que credita meus fundamentos em bases científicas, acho que há muita coisa fora da alopatia que nos acrescenta sim! Porém, nada como o equilíbrio. Buscar soluções fundamentadas em boa ciência e muita prática é fundamental, e claro, considerar métodos que não prejudiquem a saúde por uma questão de crença é sempre MUITO bem vindo!