O que você pode fazer por 2016

7 de janeiro de 2016

Porções nada mágicas

7 de janeiro de 2016

Doce, doce, doce… A vida é um doce!

7 de janeiro de 2016
empty image
qtocomer
docesdocedoce

Nos primeiros dias do ano pedi lá no instagram algumas sugestões de assuntos que vocês gostariam de ver aqui no blog. Dentre elas uma que eu sempre escuto no consultório: como fazer com a vontade de comer doce?

Como a maioria das vontades na vida, temos duas opções: passar vontade ou matar a vontade. O equilíbrio consiste justamente quando conseguimos fazer as duas coisas sem exagerar. Afinal, passar vontade demais é chatíssimo e matar a vontade sempre pode nos causar problemas.

E a vontade de comer doce está entre elas.

Mas como todos sabemos, açúcar em excesso faz mal. A ciência ainda não conseguiu entrar num acordo para sugerir qual a quantidade segura de açúcar que podemos/devemos consumir – e no meu ponto de vista esse dia não vai chegar. A informação que temos hoje é: NÃO EXCEDA.

docedoce

Porém, tem a bendita da vontade… ahhhhhhh a vontade. Tem gente que é doceiro de carteirinha (alô Pai!) e não consegue sossego depois do almoço se não comer um docinho. Tem gente que não só é doceiro de carteirinha, como não consegue ficar apenas no ‘quadradinho’ de chocolate que a nutri recomendou – e precisa comer a barra inteira.

E o que fazer com a vontade?

O primeiro passo é entender como funciona nosso corpo. Somos produtos de zilhares de anos de evolução. Estamos aqui pela nossa fantástica capacidade de armazenar energia (feliz ou infelizmente, em forma de gordura). E o nosso corpo NÃO DESPERDIÇA energia. Não queira dar um monte de energia extra pra ele achando que ele vai ser legal com você e falar “ah, não vou usar essa extra, vou jogar fora então”… nada disso! Quanto mais energia, mais ele guarda!

Isso explica algumas causas da vontade de comer doce. Dentre essas causas estão o cansaço, a má alimentação, a angústia (a TPM…) e os estímulos visuais. Algumas outras condições (clínicas inclusive) também favorecem ao aumento do consumo de doces, mas não vou entrar nesse mérito.

Cansaço ou falta de energia

Sentimos vontade de comer doce por diversos motivos: angústia, TPM, cansaço, estímulo visual, má alimentação, falta de energia, hábito. O açúcar é uma fonte energética barata para o corpo humano: rapidamente absorvido e metabolizado, gera energia com facilidade. Isso explica porque quando estamos cansados ou com falta de energia, procuramos o açúcar (e outras fontes de carboidrato refinadas, por exemplo). Então se você vive cansado, dorme mal, está estressado, suas chances de buscar o açúcar como forma de recuperar essa energia são grandes. E nesses casos não adianta arrumar apenas uma ‘alternativa’ para os doces – precisamos tratar a indisposição, o cansaço e a falta de energia.

TPM, angústia, tristeza

Uma vez que consumimos açúcar (e outras fontes de energia barata) nosso corpo aumenta a produção de neurotransmissores, nos causando sensação de prazer e bem estar. Sabe quando estamos naquele stress danado e comemos um pedaço de bolo da confeitaria mais próxima e de repente, não mais que de repente, todos os nossos problemas acabam? Sabe aquela TPM bruta que a gente abre a barra grande de chocolate e só percebe quando está comendo até o dedo? Então… Obviamente o corpo também adora ficar feliz, e entendendo que determinado alimento causa essa sensação nele, vai querer mais e mais e mais!

Má alimentação

A comida tem o poder de nos alimentar energeticamente. Comida é combustível. Portanto se você não dá a energia necessária para o seu corpo, ele vai pedir. Ajustando a alimentação conseguimos muitas vezes reduzir a ‘tara’ por doces – nem sempre curamos, mas reduzimos. Além disso alguns alimentos contém um aminoácido chamado triptofano, que também provoca uma liberação de neurotransmissores relacionados ao prazer.

Estímulo Visual

Tanto o livro Slim By Design” (Brian Wanskink) quanto “O Poder do Hábito” Charles Duhigg mostram como o estímulo visual atrapalha nossa vida. As duas publicações mostram experiências interessantes: se você colocar dois potes com doces – um opaco e um transparente – na sua mesa por exemplo, comerá mais quando o pote for transparente. O mesmo acontece se você colocar o doce escondido no armário ao invés de deixar em cima do criado: irá comer menos.

E o que fazer quando a vontade bate?

Bem, aí temos várias opções indicadas: ‘come tal coisa pra disfarçar!’ ou ‘posso comer uma banana pra passar a vontade’? Pode sim – e muitas vezes funciona. Mas nem sempre dá certo. Já se viu na situação de comer todas os produtinhos do mundo e mesmo assim a bendita vontade do chocolate permanecer?

stomagodoce

Pois é, eu também.

E nesses casos amigas e amigos, não tem muito o que se fazer a não ser comer o bendito doce. E entra o bom senso para avaliar se vale a pena atacar a barra inteira ou se é melhor se deliciar com uma pequena porção. Eu particularmente prefiro matar vontade com o santo chocolate para não entrar no looping eterno que é comer bolachinha – banana – barrinha – não passar a vontade e depois se render ao doce. Mas algumas pessoas se sentem tão culpadas que continuam insistindo nas opções ‘indicadas’.

Além disso existem momentos e momentos para se comer um docinho. Algumas evidências mostram que o doce logo após a refeição provoca um menor pico glicêmico – o que poderia ser benéfico. Além disso, logo depois da refeição apenas uma pequena porção açucarada já poderá lhe satisfazer.

O importante é não se enganar comendo váááárias ‘soluções’ enquanto poderia comer um pedaço de chocolate – ok, um pedaço pequeno. Mas melhor um pouco do que nada, não é mesmo?

Para ver se vale a pena, vamos contar calorias. Para isso fiz uma seleção para você saber quando e se vale a pena trocar o sabor de um pequeno chocolate por uma solução paliativa.

docescertos

Agora, ATENÇÃO!

Sou a favor de ceder as tentações quando isso acontece eventualmente. Ou você pode até diariamente comer um pouquinho de doce, desde que seja numa quantidade ADEQUADA. E para saber o quanto você pode/precisa, depende do seu consumo geral. Quem vai saber avaliar isso é a(o) nutricionista.

E não, não estou fazendo apologia ao consumo de açúcar. Inclusive se tem uma das poucas coisas que sou bem mais radical é em relação ao excesso de doce (principalmente refri, acho um desperdício de consumo – mas isso é assunto pra outro post…)

Fica aqui meu beijo para @andarahg e @pati_guerra que me sugeriram a pauta :)

Até a próxima!