Mercado sem lactose

10 de setembro de 2013

Berinjela rápida!

10 de setembro de 2013

Gordo sim, e daí?

10 de setembro de 2013
empty image
empty image
Hoje é dia do gordo! Não sei quem inventou essa data, ou se ela realmente é verdadeira. Mas está na internet, pra todo mundo ver.
Desde que eu me conheço por gente ser gordo é ruim. Na escola, os gordinhos sofriam: balofo, baleia, gordo, gorducho… O coitado não podia comer um brigadeiro na festa infantil que já era totalmente bombardeado. Lembro que aos 8 anos, um colega gordo chegou no aniversário e o pai do aniversariante falou ” Gente, depois do parabéns peguem rápido os brigadeiros, porque o fulano veio”. Era de dar dó.
Em contrapartida, ser gordo já foi sinal de saúde e riqueza. Os meus avós, viveram no tempo que gordura era sinal de saúde. Uma vez minha prima viajou de intercâmbio para os EUA, e voltou bem rechonchuda. Minha avó disse “nossa, como está bonita, tão gorda!”. Imaginem vocês, uma adolescente de 16 anos escutando isso…
E é nesse ponto que quero chegar. A luta contra a gordura – não pelo sentido de saúde, mas pelo sentido de estética – pode, muitas vezes, ser prejudicial.
Claro, não seremos hipócritas: Quem nunca suspirou pelo corpo de alguém, desejando ser aquilo ali, pela magreza? Todo mundo. Nem os magros estão satisfeitos.
Mas que mania é essa de idolatrar a magreza a todo custo, querendo alcançar níveis quase inexistentes de gordura corporal? Um dia li “se você gosta de ouvir ‘eu te amo’ é porque nunca ouviu ‘como você emagreceu'” e achei essa frase a maior demonstração da falta de amor próprio de um ser humano. Muitos vão dizer “ahhh, é uma brincadeira!”. Bem, pra mim não é. É a mais pura demonstração de quanto uma pessoa pode ser vazia.
E quem disse que precisa estar magra(o) para estar com uma auto estima boa? Conheço pessoas interessantíssimas, lindas, poderosas e magras que se sentem piores do que o pior dos seres humanos. E conheço gordinhas (os) super felizes, que só atraem gente legal.
Não estou defendendo o excesso de gordura – pois é uma causa de vários problemas de saúde – e nem recriminando aqueles que querem emagrecer. Estou discutindo a urgência e o desespero pelo peso pena. Talvez seja melhor ser saudável, ter algumas gordurinhas a mais, e ter a consciência leve. A culpa é o pior peso que podemos carregar.
O que é mais incoerente? Temos que aceitar essa paranóia de dieta, aceitar os corpos super sarados, os corpos magros, os corpos de academia. E os corpos redondos e gordinhos? Porque somos obrigados a entender pessoas que perdem o prazer de comer, que se punem pela fatia de pizza do fim de semana, mas não podemos entender quem quer ser gordinho, ou quem não tem pressa em emagrecer?
Talvez você seja daquelas pessoas que diz “gordura é falta de vergonha na cara”. Talvez você seja mesmo um ‘gordinho sem vergonha’, que reclama que não emagrece, mas não faz nada por isso. Talvez você seja um gordinho em busca do emagrecimento… Não importa. O que é importa é que devemos parar de supervalorizar a magreza a todo custo.
Quem nunca escutou (ou falou) ‘nossa, tão linda, pena que é gorda!’? Acho que todo mundo… Mas, parando pra refletir: da gorda bonita as pessoas tem pena. E das magras feias??? Que padrão de beleza é esse?
Você, que é gordinho? Está feliz? Você tem o direito de emagrecer, se quiser ou precisar … não se for obrigado. Vai melhorar sua auto estima? Ótimo. Mas lembre-se que, se emagrecer, a essência continuará sendo a mesma. A auto estima requer um corpo magro ou uma cabeça boa? Já pensou nisso? Se você é um gordinho saudável e assumido. Parabéns. Tem a minha admiração.
Mas se você é um gordinho infeliz, não desista. Corra atrás do seu objetivo. Mas lembre-se que isso não é tudo. Não deixe os prazeres da vida de lado. Busque o equilíbrio.
Magros ou gordos: cada ser humano é de um jeito. Cada um tem defeitos e qualidades. Dizer que é ok ser gorda não exclui a beleza das magrinhas. E vice versa!
Beijos, especialmente para os gordinhos e gordinhas!
Marina