Da feira pra sua mesa

13 de maio de 2013

Abóbora com Camarão

13 de maio de 2013

Já bebeu leite hoje?

13 de maio de 2013
empty image
empty image
Muitas pessoas entraram na onda da dieta sem lactose, ou dieta lacto free (como preferirem). Umas dizem que sentiram um efeito maravilhoso-mágico-milagroso na ausência do leite, e que inclusive emagreceram, perderam barriga, não tiveram mais espinha, a unha cresceu, o cabelo cresceu, etc. Como se a ausência do leite fosse um fator causal totalmente milagroso pra todos esses eventos.
Mas porque essa ‘moda’? 
Bem, primeira explicação simples (tão simples que chega a ser óbvia): vários produtos que comemos tem leite na composição: bolos, alguns pães, iogurtes, biscoitos, queijos. E esses produtos tem calorias (claro) e muitos tem gordura na composição (afinal, o leite tem gordura). Quando você tira a lactose da alimentação (ou seja, os derivados do leite), você está cortando uma gama de produtos ‘calóricos’. E geralmente substituindo por outros que são menos calóricos. Como você começa a consumir menos. Emagrecimento não é nada mais que consumo menor que o gasto. Ou seja: não é o divino milagre da ausência da lactose que vai te fazer emagrecer.
Segunda explicação: várias pessoas tem intolerância a lactose. De vários níveis. Eu, por exemplo, amo leite, bebo quase todos os dias. Mas tenho um limite. Se tomar demais, não me faz bem. Outras pessoas não podem sonhar em tomar leite. Algumas crianças manifestam algum tipo de intolerância a lactose logo após o desmame – algumas continuam sensibilizadas, outras não. Então, as pessoas altamente sensíveis a leite sentiram a diferença na hora que reduziram o leite da alimentação, e provavelmente divulgaram aos 4 ventos como um evento milagroso.Terceira explicação: o ser humano precisa de novidade. Se não tiver coisa nova, não dá pra encarar uma dieta. Já perceberam? Já foi legal tomar óleo de coco, shakes, gergelim, linhaça… mas isso é assunto pra um outro post.

Mas o que realmente é intolerância a lactose?

A intolerância a lactose é uma incapacidade do corpo de digerir totalmente a lactose (o açúcar do leite). A lactose é digerida pela lactase. Algumas pessoas não produzem lactase. Algumas vezes é uma falha temporária, outras não.A lactase é produzida sob estímulo, ou seja: se você fica um tempo sem ingerir lactose, a lactase não será produzida. Então o dia que você ingerir leite, sentirá um desconforto, já que não conseguirá digerir normalmente o leite.

A intolerância a lactose tem, dentre vários sintomas: gases, diarréia, sensação de plenitude, inchaço, e algumas pessoas relatam até dores de cabeça. Um fato já conhecido na comunidade científica é que fatores psicológicos tem grande importância nos sintomas da intolerância, já que o cérebro pode influenciar na percepção destes sintomas. Sabe quando você se sente mal, e ‘põe a culpa’ em algum alimento ou bebida, e a partir daí começa a associar o alimento com aquele mal estar? É disso que estou falando.
Por isso as pessoas cortaram a lactose da dieta?
Não!!! Muitas pessoas passam longe dos sintomas. De fato o leite é um alimento que pode provocar intolerâncias e alergias (as vezes alergias na pele, alguns problemas respiratórios, dentre outros). Mas esses são sinais e sintomas que devem ser analisados tratados por médicos e nutricionistas, lembrando sempre que  pode ser um problema crônico ou passageiro.
Outro fato é que os adeptos ferrenhos da nutrição funcional colocam o leite (dentre outros alimentos) como o grande vilão da alimentação. Mas muitas informações não tem fundamentos. Como eu disse, cada caso é um caso. Conheço pessoas que sofrem de intolerância séria de lactose, outras (como eu) só não se dão bem com excessos (mas quem dá né?).E porque beber leite?

O leite é um alimento relativamente barato e disponível. Além disso é um alimento muito importante para a saúde. Ele tem proteínas de alto valor biológico – e você aí trocando um delicioso copo de leite por whey protein… Além de tudo ele é uma ótima fonte de cálcio. Hoje em dia a ingestão de cálcio populacional está muito abaixo da recomendação, e cada vez mais as pessoas sofrem mais jovens de problemas ósseos, inclusive fraturas ‘bobas’, problemas dentários, etc. O leite (integral) também é rico em vitaminas A, D, E e K.

E pra beber leite, desnatado ou integral?
O leite desnatado é o leite sem gorduras. O leite integral tem gorduras, e o semidesnatado fica ‘no meio do caminho’.
Em dietas de emagrecimento, o hábito é trocar o leite integral pelo desnatado. Mas a diferença de gordura, no final das contas, é muito pequena. Minha opinião pessoal: depende do gosto da pessoa. Se você gosta de leite integral, não tem nenhuma restrição, não vejo porque substituir pelo desnatado. Outras pessoas se adaptam ao leite desnatado. De fato ele é mais leve ao paladar, por não ter gorduras, mas é uma questão de hábito. Eu, por exemplo, não gosto de leite desnatado e me desabituei ao sabor do integral. Por isso compro sempre o semi desnatado. Mas é uma questão de gosto e objetivo. Veja o comparativo abaixo:

Veja o comparativo, em 200 mL de leite (01 copo):

Leite integral – 113 kcal / 4,0 g de gordura / 230 mg de Cálcio
Leite semidesnatado – 97 kcal / 2,0 g de gordura / 240 mg de Cálcio
Leite desnatado – 66 kcal / 0 g de gordura / 260 mg de Cálcio
Por isso, o que eu digo é: não existe milagre! Não existe vilão na alimentação. Pra emagrecer tem que ter foco, disciplina e procurar um profissional sério (que não seja o Dr. Google, sites, revistas, etc). Se você se sente mal ao ingerir leite, procure um médico. Só ele saberá, depois de vários exames, se há necessidade de cortar ou reduzir o leite. Não deixe esse alimento tão importante de lado por causa de modismo ou argumentos nem sempre bem fundamentados!
E coma comida de verdade!!! #realfood
Beijos,
Até a próxima!
Observação: em 2012 foi feita uma pesquisa pela Associação Brasileira de avaliação Óssea e Osteometabolismo mostrando que as mulheres estão ingerindo apenas 1 porção de lácteos por dia, enquanto a Organização Mundial de Saúde preconiza o consumo de 2 a 3 doses diárias! E esse consumo deve ser feito desde o início da infância, afim de reduzir as taxas de osteoporose!