Dos blogs (e sites) que amo!

30 de junho de 2014

Matérias de Capa: IstoÉ e Super Interessante – Glúten!

30 de junho de 2014

Não tire o arroz do sushi!

30 de junho de 2014
empty image
empty image

Sexta fui almoçar em um restaurante japonês, e tinha uma pessoa do meu lado tirando todo o arroz do sushi ‘para emagrecer’.

Era nítido que a pessoa, no caso, não queria emagrecer, mas sim melhorar o ‘shape’. Não vou entrar no quesito ‘mas para quê? Já tá ótimaaaa! Não precisa seguir os padrões de beleza da sociedade, etc’ porque não é o fator a ser discutido aqui. Vou entrar no quesito ‘nãooooo, não tire o arroz do sushi!!!!!!!!!!!!!!’

Captura de Tela 2014-06-26 às 16.55.37

Eu tenho uma sensação triste quando vejo alguém tirar o arroz por motivos de:

1) Desconsiderar a história do sushi: dizem que há muito tempo os japoneses conservavam os peixes que eles pescavam (para transportar longas distâncias, ou somente guardar o alimento) no arroz cozido. E daí surgiu o sushi. Eu acho super legal essas questões históricas/culturais dos alimentos!

2) Retirar a fonte de carboidrato daquela refeição: se você vai a um restaurante japonês para almoçar, deveria fazer trocas coerentes: não faz sentido não substituir o arroz e feijão. Se você tira o arroz do sushi, está comendo somente proteína, e aí temos um ‘problema':

O carboidrato provoca saciação, enquanto a proteína provoca saciedade. Falando de maneira muito simples, a saciação é aquela sensação de ‘preenchimento’, sensação de ‘ok, agora estou matando minha fome, e já já posso parar de comer’. Saciedade é a sensação de ‘estou satisfeito’ até o próximo momento que você irá sentir fome. Ou seja: saciação é a curto prazo, saciedade a médio/longo prazo. Resumidamente, os carboidratos dão aquela sensação de ‘ufa, estou comendo!’, enquanto a proteína demoooooora a mandar esse sinal pra gente! De fato, a fome demora mais a chegar quando comemos um volume proteico maior… o problema é que se alimentar apenas de proteína pode ser ‘perigoso’, uma vez que demoramos a perceber a hora de parar.

3) Pra quem conta calorias, a diferença calórica é RIDÍCULA.

Opção

Calorias (kcal) Carboidrato (g) Proteína(g) Lipídio (g)
Sushi 45 9 1,85

0,4

Sashimi 35 0 6,6

0,8

E quantas peças eu devo comer?

Isso depende muito de quem você é, da sua alimentação diária e etc. Afinal, a idéia da comida japonesa (no caso do almoço) é substituir uma refeição usual. Mas para vocês terem uma idéia, aí vai um demonstrativo. Repetindo: é para ter uma IDÉIA, e não para sair trocando x por y sem conversar com a nutri antes!

Slide4

Visto isso, parem de tirar o arroz do sushi!

Mas e se eu for num rodízio achando que sou o tazmania?

taz

Eu no rodízio japonês

“Elementar meu caro Watson”. Primeiro que fazer o Taz tem que ser algo pontual, principalmente se você está em processo de emagrecimento ou  controle de peso. Não dá pra ir no rodízio todo dia. Mas não dá pra ficar sem ir. Então eu diria para você relaxar e comer. Principalmente porque o peixe do sashimi tem um peso maior do que a fatia do sushi – quase o dobro: logo o maior peso do sashimi compensa a ausência do arroz. Entenderam?

Mas se você continua com aquela ilusão de ir no rodízio e comer só um pouquinho eu sugiro comer sim, o sushi. Pois o carboidrato vai sinalizar para seu cérebro (não só aquele que fica  na cabeça, mas para seus receptores intestinais) que você está ficando satisfeito. Como disse acima, a proteína demora mais tempo para ‘mandar’ esse sinal.

Então se você compartilha dessa verdadeira paixão que é a comida japonesa: NÃO TIRE O ARROZ DO SUSHI!!! Além disso, prefira o shoyu light sem glutamato (escrevi sobre isso aqui), e beba muita água!

No mais, aproveite :)

Beijos,

assinatura