Eat, girl!

3 de fevereiro de 2014

Receita: mexido da nutri

3 de fevereiro de 2014

Opinião: Isto É e a revolução na queima de calorias

3 de fevereiro de 2014
empty image
empty image
A capa da Isto É dessa semana teve como título ‘A revolução na queima de Calorias’.
(a reportagem, versão internet, está aqui: http://www.istoe.com.br/reportagens/345912_DOMINE+O+SEU+METABOLISMO?pathImagens=&path=&actualArea=internalPage)
Achei interessante discutir sobre pontos da reportagem, afinal, sei que muita gente vai se desesperar para utilizar algumas folhas de revista como bíblia do emagrecimento, e não é por aí…
A reportagem conta sobre novos estudos da ciência que demonstram como o tratamento da obesidade pode ser melhorado, seja através de testes genéticos, treinos, alimentos e utilização de bactérias benéficas.
Começando pela questão genética, alguns exames são citados. Ao meu ver, ficou mais com cara de divulgação do que informação. Os testes genéticos podem ser utilizados de maneira complementar ao tratamento nutricional, mas não são 100% necessários. E como bem frisou uma das entrevistadas, ‘é uma maneira de ofertar conhecimento da ciência à prática clínica para criar dietas saudáveis, não restritivas e voltadas às características de cada um’. Mas continuo lembrando que os testes não são essenciais, e sim complementares.
Depois a Isto É discute um quadro estudado há algum tempo, sobre as bactérias intestinais e seu benefício no tratamento da obesidade. De fato alguns estudos já conseguiram demonstrar as disparidades entre a microbiota (chamada vulgarmente de ‘flora’) de obesos e não obesos. Mas isso não quer dizer que o Yakult ou qualquer outro leite fermentado irá te salvar! Até porque, ter uma alimentação sem regras e tomar leite fermentado rico em lactobacillus é tapar o sol com a peneira. A microbiota intestinal não é comandada somente pela ingestão desses líquidos, mas sim de uma ingestão regular de fibras, água e outros fatores.
Quanto ao horário da alimentação – comer de 3 em 3 horas – ainda é um assunto muito controverso. Alguns estudos falam que não tem nada a ver, outros (inclusive o citado pela Isto É) mostram que é essencial. Pelo sim, pelo não, acho importante ter uma regularidade nos horários. Isso tudo para evitar uma fome do cão – se você só almoça e depois vai direto para o jantar, a chance de você comer até a porta é bem maior – e variações maiores da glicemia – que pode fazer com que você estoque energia (ou seja, estoque gordura).
A atividade física é consensual: deve existir. Não vou discutir sobre qual tipo de atividade é melhor, etc etc etc, porque sou nutricionista e estudo para entender bem, mas acho que é fundamental contar com um profissional da área. Mas a Isto É cita os estudos que demonstram a importância na variação de intensidade de um exercício, e pensando fisiologicamente, eu apoio essa modalidade.
Porém achei que a revista pecou em alguns momentos. Por exemplo, nessa frase: ‘cortou a farinha branca, entre outros itens, e incluiu a ingestão de alimentos que aceleram o metabolismo. Foram-se 12 quilos’. Já foi discutido aqui (e também pela minha grande amiga que entende de glúten melhor do que eu, hehe, aqui) que a retirada de glúten (no caso, da farinha branca) pode ser extremamente benéfica para a perda de peso porque você exclui ALIMENTOS calóricos – e claro, se você come menos, e gasta mais, você vai perder seus quilos extras. Não é a retirada do glúten que vai te fazer emagrecer ou salvar sua vida. O glúten não mata e não prejudica, a não ser que você tenha algum tipo de intolerância. Ah, e essa intolerância deve ser diagnosticada por um profissional sério, e não por alguém interessado somente em satisfazer os modismos da nutrição.
A Isto É também pontuou sobre alguns alimentos que podem acelerar a queima de calorias. São os alimentos ‘termogênicos’, e ela mostra quais são. Mas lembrem sempre que eles auxiliam, porém não são o milagre em forma de comida.
Faltou ainda a recomendação: procure seu médico e nutricionista para discutir o melhor tratamento! E frisar que a ciência não é matemática, não existe fórmula certa!
Porque ressaltar essa reportagem? Porque MUITOS profissionais utilizam esses procedimentos, ainda muito recentes, na intenção de ludibriar seus pacientes. O que vai te fazer emagrecer ou melhorar de saúde não é um exame genético, um leite com bactérias, uma dieta maluca (que geralmente está na gaveta, pronta pra ser entregue a você, sem nenhuma especificidade). O que faz perder peso é um conjunto de fatores. Estudar sua genética, verificar como está sua saúde intestinal, adequar a sua atividade física, rotina e preferências, verificar a qualidade do sono são preceitos BÁSICOS de um consultório de nutrição.
Até a próxima!
Beijos,
Marina