Minha nutricionista não passou suplemento… E agora?

17 de dezembro de 2013

Despedindo de 2013: Educando com pastel e caldo de cana

17 de dezembro de 2013

Opinião: Veja e os médicos que receitam bombas

17 de dezembro de 2013
empty image
empty image
A capa da Veja São Paulo dessa semana foi: Os médicos que receitam bombas.link aqui: http://vejasp.abril.com.br/materia/as-perigosas-bombas-dos-consultorios-anabolizantes-musculos

 

Se tratando de saúde e estética, não poderia deixar de ler essa matéria e comentar minha opinião, apesar de eu achar muito delicado discutir algo veiculado em uma revista muitas vezes tendenciosa.
Mas vamos lá…
A reportagem mostra alguns médicos em São Paulo que muitas vezes por prescrevem anabolizantes para seus pacientes. O Conselho Federal de Medicina (CFM) proíbe a prescrição de determinadas drogas para pessoas saudáveis com o objetivo de ganho de massa magra e/ou perda de gordura. Essas drogas são as ‘bombas’ ou ‘bolas’, onde se destacam os hormônios esteróides (veja em http://www.portalmedico.org.br/pareceres/CFM/2013/19_2013.pdf)
O médico que utiliza de maneira indiscriminada a prescrição de tais drogas pode sofrer processos e até ter seu diploma cassado – algo que, infelizmente, ainda acontece muito pouco.
Um repórter da Veja visitou vários profissionais procurados (em São Paulo/SP) se passando por um paciente que gostaria de aumentar o volume muscular em curto prazo. Segundo a revista, os médicos indicaram anabolizantes, muitas vezes não avaliaram exames de sangue – ou avaliaram exames antigos – cobrando preços altos em consultas rápidas. Alguns destes profissionais tem especialidades totalmente alheias a endocrinologia (oftamologia, por exemplo) e provavelmente estão despreparados para indicar tais drogas.

Acredito que só lendo a matéria para avaliar e entender do que se trata. Mas durante a reportagem, fiquei espantada com a falta de critério e compromisso com a saúde do paciente. É muito difícil julgar o caráter e a idoneidade de um profissional, assim como as condutas utilizadas, mas o que se vê é uma despreocupação e falta de tato. Não é necessário ser médico ou nutricionista para saber que ‘tomar bomba’ é um caminho que muitas vezes não se sabe o ponto de chegada, que exames para serem bem avaliados devem ser recentes, e que uma consulta muito rápida não é suficiente para definir qualquer tipo de tratamento. E nem sempre o mais caro é o melhor…

A minha vontade de comentar sobre esse tipo de episódio ficou aumentada, pois conheço pessoas que já estiveram no consultório de alguns dos profissionais citados e não receberam ‘bombas’, mas foram convencidas a comprar medicações hoje em dia inutilizadas pela sua falta de eficácia (como o Hcg, que já citei aqui nesse post), vários remédios e dietas ‘padrão’ totalmente sem pé nem cabeça. Ou seja: o médico entrega a mesma dieta para você, para sua vizinha, para sua irmã… não há critério! A dieta deve ser algo personalizado, tendo em vista o metabolismo, peso, altura, objetivo e rotina de cada um. Além disso, são dietas muito restritivas.
Vendo essa reportagem e o histórico de pessoas que já vi na mão desses profissionais, o que posso fazer é alertar. Algumas pessoas continuarão achando que isso tudo é um grande falatório e logo logo vai passar. Algumas pessoas continuarão procurando os médicos, tomando bombas (ou não) e acreditando na palavra deles. Muitos tem o consultório cheio, redes sociais lotadas de fotos – de pacientes e dos próprios médicos – são citados por personalidades fitness da internet… e esses fatores fazem com que as pessoas procurem mais ainda esse tipo de profissional. Mas com certeza o alerta atinjirá os mais preocupados e conscientes, que estão em busca não só de um corpo moldado, mas também de saúde.Um bom médico (ou nutricionista, personal, ou qualquer outro profissional de saúde) leva em consideração não só o bem estar do paciente, como seus anseios. Nem sempre o tratamento do seu amigo é o mesmo do seu. Nem sempre você precisa de hormônios, ou suplementos, ou sessões árduas de musculação. O tratamento individualizado, esse sim, é sinal que um médico é bom ou não.

Nunca visitei os médicos citados e não cabe a mim fazer nenhuma avaliação ou adjetivá-los. Mas lendo e ouvindo as histórias por aí, chego a pensar se eles estão realmente preocupados com a saúde do paciente ou apenas com uma agenda lotada e o bolso cheio. Vamos combinar, todos nós queremos ganhar dinheiro, ter uma vida confortável. Trabalhamos para tal. Mas utilizar esse tipo de subterfúgio para conseguir lucro e fama chega a beirar a desonestidade e a falta de caráter. Como disse, não sei se essa é a intenção dos médicos citados – e de vários outros que estão por aí – mas é o que parece.

Sobre os anabolizantes

Uma observação interessante é que, segundo a Veja, vários médicos que receberam o ‘repórter paciente’ disseram não haver perigo nenhum em tomar anabolizantes. Em determinado momento um dos médicos diz “a diferença entre o veneno e porção é a dose”(!!!!).

Mas não é bem assim: um ‘ciclo’ de anabolizante já é suficiente para detonar sua saúde. Hormônios aplicados sem necessidade podem provocar uma verdadeira bagunça metabólica, trazendo danos irreversíveis.

Danos nos homens: câncer de f’ígado e outros orgãos, infertilidade, aumento da mama, perda de libido, problemas de ereção, redução do número de espermatozóides, nervosismo, alteração de humor, entre outros.
Danos nas mulheres: além do câncer de fígado e outros orgãos,  a virlização. Ou seja: a mulher começa a ter sinais masculinos no corpo: aumento dos pelos, voz grossa, redução da mama e hipertrofia do clitóris, além de alterações menstruais e desvios de comportamento – humor alterado, por exemplo.

Fica o alerta!

Não confie e procure em um médico somente pela sua agenda cheia. Esse pode ser um sinal de uma ótima carreira e um profissionalismo excelente! Mas você deve observar também se um médico (ou qualquer outro profissional da saúde) tem paciência para ouvir, preocupação para saber dos anseios do paciente e entender não só da saúde do seu cliente, mas também da sua rotina.

Sugiro também…

Que os conselhos de medicina investiguem esses (e outros médicos) com mais afinco. O CFM e outros conselhos tem feito campanhas educativas em academias, mas de nada adianta se os médicos começam a convencer seus pacientes a tomarem bomba. A saúde de um ser humano é muito maior e mais importante que uma estética bonita, um corpo escultural e uma porcentagem de gordura baixa.

Até a Próxima!

Obrigada,

Marina