Batalha de produtos: Biscoitos integrais!

12 de janeiro de 2015

Vamos suplementar?

12 de janeiro de 2015

Fexaramine e outras pílulas de emagrecer

12 de janeiro de 2015
empty image
empty image

Semana passada a notícia de uma pílula mágica, que nos faz emagrecer sem fazer dieta, estava bombando a internet.

Ontem foi a vez do Fantástico noticiar sobre essa pílula.

O nome da dita cuja é Fexaramine. Pelo que tudo indica, essa pílula, ao ser ingerida, simula uma situação de ingestão alimentar. Ou seja: quando ela chega no seu estômago, este avisa ao cérebro que você está satisfeito, através da liberação de determinado(s) hormônio (s).

cerebroeestomago

Então seu cérebro acha que você está ‘comendo’, mas na verdade você não está consumindo nada, e sem sentir fome! Então você acaba reduzindo a ingestão calórica, que leva a perda de peso. E com o emagrecimento, vem o controle da glicose e da pressão arterial.

Tentador, não? Mas será que é a solução?

Eu sempre deixei muito clara a minha posição em relação a tratamentos medicamentosos para emagrecer: eles podem ser úteis, mas somente em casos específicos, com acompanhamento profissional e quando são feitos em conjunto com tratamento nutricional.

Desde que me formei (na verdade desde 1 ano após formar) trabalho como nutricionista clínica, ou seja: atendo pacientes que desejam emagrecer, engordar, ganhar massa, melhorar a glicemia, etc. E desde o começo trabalhei com médicos: endocrinologistas, clínicos, nutrólogos, cirurgiões, ginecologistas, … Ao contrário de muitas nutricionistas, sempre AMEI trabalhar com os Doutores e Doutoras. Acredito muito na multidisciplinaridade e nunca tive problemas com condutas terapêuticas. Os médicos sempre me respeitaram muito, e eu sempre respeitei o trabalho deles. Se eu não concordo com algo (ou vice e versa), é o caso de se discutir – a melhor parte das relações interdisciplinares. Assim, todos conseguem expor o ponto de vista até chegar a uma conclusão.

pilula emagrecimento

Foi justamente através da minha relação com médicos – e outras especialidades! – que vi que em determinados casos, a medicação se faz necessária no tratamento da obesidade. Vejam bem: eu disse DETERMINADOS CASOS.

Infelizmente ainda existe muita prescrição medicamentosa desnecessária, seja para vender um emagrecimento rápido (o paciente fica feliz!!!), seja para satisfazer um desejo do paciente (o paciente também fica feliz!!!) ou até para poupar o tempo que o médico perde explicando que é muito importante seguir um tratamento nutricional (muitos pacientes não ficam felizes quando sabem que tem que passar na nutri!). Esse tipo de medicação prescrita de maneira equivocada ou nada pontual faz com que os remédios usados para o tratamento da obesidade sejam mal vistos por toda a comunidade médica e científica. iPorém, acreditem: existe sim demanda para vários tipos de remédios.

Mas essa medicação só vai funcionar se o paciente se propor a fazer uma mudança geral, não só na alimentação, mas também de hábitos (this is nutrição comportamental, baby!). É mais ou menos como controlar a glicose sanguínea: as vezes um paciente chega com excesso de peso e grandes variações glicêmicas. Aí o médico prescreve um remédio afim de diminuir a glicemia sanguínea (afinal, ela está alta e precisa ser reduzida rapidamente) e encaminha para o nutricionista. O paciente começa uma reeducação alimentar com a nutri, perde peso, ajusta a alimentação e em breve se livra da medicação (ou não, pode ser que ele precise ser medicado a longo prazo). O mesmo pode acontecer com o excesso de peso – mas tudo deve ser avaliado com muuuuito cuidado!

O fato é que, contar com uma pílula milagrosa (ou qualquer outro remédio) para emagrecer, é como acreditar que a farinha seca barriga vai diminuir sua gordura abdominal.

O tratamento da obesidade (aliás, estou falando de obesidade, e não de gordurinhas extras!!!), assim como a doença, deve ser multifatorial. Acompanhamento nutricional, médico, terapêutico, atividade física e apoio familiar são fundamentais.

milagre

Mas voltando a pílula do ‘momento’, existe algo ainda muito mais importante: você perde a sensação maravilhosa que é se alimentar, e fica alheio de vários nutrientes mais do que essenciais para seu corpo! Por isso, eu te pergunto: será que vale a pena?

Ahhhh….

E aproveitando o post para responder a uma afirmação (equivocada) que recebo constantemente quando escrevo um post sobre tratamentos ‘milagrosos’

“Se encontrarem a cura da obesidade, você perderá seus pacientes no consultório! Por isso critica tanto dieta/medicamento (coloque aqui o nome da dieta/medicamento)”.

Resposta: Bem, se encontrarem a cura da obesidade, provavelmente terei mais pacientes ainda :) O atendimento do nutricionista não depende de obesos ou pessoas com sobrepeso. Depende de clientes interessados em se alimentar bem, ter saúde e, como consequência, o emagrecimento. E se encontrarem a cura da obesidade de uma maneira que faça as pessoas repensarem o ato de comer, e começarem a se alimentar com prazer, eu serei MUITO feliz!

Beijos,

Até a próxima