We are Carnaval

11 de fevereiro de 2015

O detox que vale a pena

11 de fevereiro de 2015

Sua sala tem janelas?

11 de fevereiro de 2015
empty image
empty image

Estive durante 1 ano e 6 meses numa sala sem janelas. E eu queria muito uma sala com janela, afinal, é bom ver o sol chegando e indo embora, a chuva, o frio e etc.

Agora mudei para uma sala com janela – bem grandona, diga-se de passagem. (Obaaaaaaa!!!!!!!!!).

E junto com isso, melhorei mais a minha alimentação.

Mas qual a relação da janela com a comida? Uma relação imensa: um empurrão para ‘comer’. É o que os estudos científicos chamam, na língua inglesa de ‘drive to eat‘.

A sala sem janela fazia com que eu saísse sempre, justamente pela sensação de desconforto que ficava lá dentro, sem ver o dia passar. E quem sai, sai pra fazer algo. Não via (e nem vejo!) sentido em sair da sala para nada e voltar. Você precisa sentir que está fazendo algo – eu e a maioria precisa.

janela1

Então, na sala sem janela, eu vivia querendo sair. E saía. Ia na secretaria falar com as meninas que trabalham lá, e acabava pegando umas bolachinhas – afinal, elas estavam ali mesmo! Saía para ir até o café da esquina tomar um capuccino. Saía para ir até a cozinha conversar com quem estivesse lanchando, e acabava beliscando alguma coisa. E assim por diante…

Logo que saí da sala sem janela, uma das meninas da secretaria disse que eu estava muito ‘sumida’, e perguntou se eu estava de romance com minha sala. Eu ri, claro, porque estou ainda em lua de mel com minha janela. Mas só daí percebi que deixei de beliscar e comer tantas coisas ‘desnecessárias’ por que não precisei mais de uma ‘fuga’.

Então eu te pergunto: qual é a sua janela? Já percebeu que as vezes comemos simplesmente para preencher um ‘buraco’ vago?

Claro que esse drive to eat é influenciado por fatores fisiológicos, como hormônios relacionados ao apetite e a saciedade, fome, gasto de energia e etc. Mas o quesito comportamental também conta muito.

livros

Se você descobriu qual a sua janela, agora é hora de descobrir como olhar pra ela. O meu caso era uma janela mesmo, física. Mas o seu pode ser aquela fuga de concentração que rola depois de algum tempo focado em algo e que precisamos, e você acaba levantando para comer alguma coisinha e distrair. Pode ser aquela hora que você chega em casa e precisa sentir que ‘chegou': para definir essa divisão trabalho/casa, abre a geladeira, tira os sapatos e come uma besteirinha.

São várias situações ‘janela’, que podemos usar a comida como tapa buraco.

Por isso conversar com a nutricionista é tão importante. Esse profissional pode e deve estar apto a te ajudar na procura das suas janelas.

Afinal, janela é bom para ver o sol e a chuva, e não pra ficar com a cortina fechada, certo?

Até a próxima!

Beijos,

assinaturacarnaval