Agenda

Antes de começar o post, gostaria de lembrar o que escrevi aqui é uma opinião PESSOAL, podendo gerar concordâncias ou discordâncias! O que eu geralmente aconselho é baseado nas minhas experiências, e percebendo algumas experiências alheias. A idéia não é doutrinar ou falar o que deve ser feito, mas usar um pouco da minha história e meu repertório para ajudar quem está meio perdido!

Montar uma agenda de consultório não é tarefa fácil. Assim que começamos a atender, esperamos ansiosos pelos pacientes. Disponibilizamos uma variada gama de horário, caímos (ou quase) em tentações de chamadas do tipo ‘como lotar sua agenda em poucos passos’, sofremos ao ver um dia desocupado. Todo mundo passa por isso.

AGENDACONSULTÓRIO CPN.jpg

Com o tempo, percebemos que essa ansiedade é por algo que não conseguimos controlar e que, por mais que a gente se esforça, as coisas não fluem na velocidade que gostaríamos. Portanto, algumas coisas que aprendi - e venho aprendendo! - são muito importantes. Vou pontuá-las aqui nesse post:

  • Ninguém começa com uma agenda lotada. Todo mundo começa do começo, desde a nutricionista que você considera mais ‘bombada’ até a sua contemporânea de faculdade que já tem mais pacientes que você. Ninguém abriu o consultório no dia zero e começou a trabalhar feito um camelo.

  • Quantidade nem sempre quer dizer qualidade: atendimentos são cansativos, demandam 100% da nossa atenção e doação, e ter uma agenda cheia de cabo a rabo pode fazer sua produtividade qualitativa cair. Além disso, precisamos de tempo fora do consultório para estudar, pensar em materiais interessantes e, quem sabe, ter outras obrigações. Fidelidade, na minha opinião, diz mais sobre a qualidade do meu trabalho. Um paciente fiel, que está sempre ali, te indicando e te procurando, vale mais que 5 que troca de nutricionista mensalmente - e lota a agenda de todas.

  • Se puder, não abra sua agenda para dezenas de tipos de convênio. Infelizmente esses serviços pagam muito pouco por hora, e você vai precisar fazer atendimentos muito breves para pagar a conta do local que você trabalha. Escolha aquele que achar mais interessante e não se esqueça de deixar espaço para suas consultas particulares. Eu atendi convênios somente por um tempo, mas vi que aquela não era a minha praia. Me sentia muito desvalorizada, e batalhei por manter os atendimentos particulares. Hoje sou muito feliz com minha decisão.

  • Estabeleça horários para estar no consultório. Quando começamos, abrimos uma gama imensa de possibilidades, e nos desorganizamos. Faça sua rotina e fique firme! Se o paciente não puder nesses determinados períodos, ele encontrará uma saída. O jeito que consegui trabalhar bem foi abrindo minha agenda em horários não comerciais: começo bem cedo alguns dias (e vou até logo depois do almoço, pegando a galera que prefere ir pela manhã) e outros dias começo mais tarde (ao entardecer, indo até mais tarde, pegando todo mundo que sai do expediente). Depois de muito tempo vi que o volume de pessoas que iam as 15:00 horas, por exemplo, era muito pequeno. Observe seu público!

  • Faça uma pesquisa e não tenha medo de cobrar. Determine seu valor. Peça ajuda para alguém que trabalha com isso. Seu valor deve determinar não só o seu tempo, mas os gastos totais com deslocamento, impostos e estrutura utilizada. Não é simplesmente estabelecer uma quantia e pronto. Ah, e converse com quem está na mesma situação que você, porque não adianta nada conversar com quem já está com uma agenda mais estável ou com uma pessoa de outra área, né?

  • Lembre-se que autônomo não tem fixo. Com o tempo e uma agenda mais estável, você vai perceber o quanto vai ganhar, em média, por mês: alguns períodos tem mais procura, outros não. Vivendo no país dos feriados, meses cheios deles tendem a ser mais fracos (assim como época de copa do mundo, por exemplo). Se você vive numa cidade como São Paulo, sabe que pode ser afetado até pelo trânsito (dependendo do horário, localização e dia). Conte com isso na hora de montar uma agenda.

  • Entenda que pessoas irão furar com você, pelos mais diversos motivos. Alguns vão avisar, outros não darão a mínima satisfação. Isso acontece COM TODO MUNDO. Mais do que você imagina. Outra dica que eu dou sempre é fazer uma política de cancelamento, sobretudo se você trabalha com retorno. Estabeleça períodos para que o retorno seja feito, e, caso seja cancelado/adiado, como você vai lidar com isso. Peça ajuda para quem trabalha como você!

  • E por último, mas não menos importante, lembre-se que ajuda para organzar a agenda não é essencial. Hoje você pode trabalhar facilmente sem uma secretária e diminuir o gasto. Caso opte por uma, esteja sempre com a conversa bem alinhada!

Montar uma agenda consistente - e feliz - é uma missão eterna! Portanto, vá observando quais são as melhores formas de fazer o seu trabalho!

Espero que ajude!

Até a próxima

Marina