Dia Mundial do Diabetes

Imagine que você comeu algum alimento fonte de carboidrato: doces, massas, pães, frutas, etc... Ao chegar no seu intestino, esse alimento é degradado e fornece glicose (que é uma fonte de energia importantíssima para o corpo). Essa glicose é absorvida e cai na corrente sanguínea, onde começa a circular... Para a glicose fornecer energia ao nosso corpo, ela precisa entrar nas nossas células, e quem faz esse serviço é a insulina - produzida no pâncreas.

Ou seja: a insulina é o 'caminhão' que carrega a glicose do sangue para a célula. Quando temos uma queda na produção insulínica (que pode ocorrer por 'n' motivos), a glicose não consegue entrar na célula, fica circulando no nosso sangue e nos prejudica em vários aspectos.

Existem dois tipos mais conhecidos de diabetes: a diabetes tipo I e a diabetes tipo II. Elas são comumente conhecidas como 'a diabetes que precisa tomar insulina - tipo I' e 'a diabetes que não precisa tomar insulina - tipo II'. A tipo I ocorre por uma falha grave na produção de insulina pelo pâncreas, ao passo que a tipo II ocorre quando a insulina é produzida de forma insuficiente - ou não é 'processada' da maneira correta.

A diabetes tipo I é provocada por uma ausência/falha grave na produção da insulina - que é o hormônio responsável por levar a glicose do sangue para as células. Ela pode acontecer em qualquer idade, mas é mais frequente em crianças e jovens.

A diabetes tipo II é conhecida como 'a diabetes que não precisa tomar insulina'. Isso porque o corpo falha menos na produção do hormônio, e muitas vezes um controle alimentar - e do peso - consegue estabilizar.

Ambos tipos causam a elevação da glicose sanguínea (porque a insulina não consegue 'carregar' para as células) e as consequências disso são várias para a saúde!

Eu vejo uma grande preocupação das pessoas quanto a diabetes, porém existem muitos mitos que circundam essa doença. Escolhi 3 para apresentar a vocês:

diabetes1.jpg

Tomar insulina não é o fim do mundo! Esse é um estigma criado que deve ser derrubado. Como eu citei acima, a ocorrência da diabetes tipo I está relacionada com causas que fogem do nosso controle. Pacientes com diabetes tipo I que tem um controle alimentar/insulinico correto tem uma vida pra lá de normal, e com muita qualidade! As terapias insulinas, os aparelhos de controle glicêmicos e tratamentos como a contagem de carboidratos são formas interessantes e eficientes de dar qualidade a vida de quem tem diabetes! Quando alguém precisa fazer o uso regular da insulina, todos os familiares, amigos, ambiente de trabalho, escola, etc... devem estar envolvidos no processo.

- Claro que os serviços públicos de saúde ainda tem que melhorar o fornecimento da insulina, aplicadores, entre outros...

Pensando nisso, peço para que assinem essa petição! -

diabetes2.jpg

Essa afirmação é um super mito! Pessoas com diabetes - tipo 1 e tipo 2 - podem sim comer carboidratos (e até doces!) desde que maneira equilibrada. Para isso é importante procurar uma nutricionista, que traça estratégias para equilibrar o consumo. Quantidade e tipos de carboidrato devem ser considerados, além da maneira que eles são consumidos! Não vale sair comendo tudo que vê pela frente, mas também não adianta se restringir de maneira extrema. Procurar ajuda profissional é a melhor saída para alcançar um controle gilcêmico interessante!

diabetes3.jpg

Falso!!! Para evitar a diabetes (no caso, a tipo II), é necessário ter um controle alimentar geral, um peso adequado e fugir do sedentarismo. Se você consegue uma alimentação equilibrada, se mantém no peso e pratica atividades físicas regulares (e nem precisa morar na academia hein? 20 a 30 minutos diários já são interessantes!) diminui MUITO o risco da diabetes!

Mas o melhor a se fazer é prevenir. E para isso, o controle alimentar, exames periódicos e atividade física são a base de tudo. Principalmente se você tem (um ou mais desses fatores):

- casos de diabetes na família;

- obesidade ou sobrepeso (principalmente acompanhado de acúmulo de gordura abdominal);

- hipertensão arterial;

- muita fome, muita sede e alta freqüência de idas ao banheiro (xixi);

- dificuldade de cicatrizarão de feridas;

- oscilações importantes de peso

- cansaço

- falta de concentração

- visão turva

Procure o médico já!

E se você não tem nada disso mas quer evitar ao máximo os sintomas procure também manter uma alimentação adequada e praticar atividades físicas, além de fazer exames periodicamente!

Até a próxima,

Beijos!