Frutas e felicidade

25 de agosto de 2014

Vale por um bifinho?

25 de agosto de 2014

Carambola e internet

25 de agosto de 2014
empty image
empty image

A carambola e a internet tem uma forte relação. Pelo menos para mim! Veja a história…

Quando eu ainda estava na faculdade – no finalzinho do curso – nos participávamos de um estágio no ambulatório da universidade. Atendíamos os pacientes e fazíamos tudo como manda o figurino: peso, altura, IMC e outros dados físicos; além da consulta, orientação e plano alimentar (ou seja, dieta). 

carambola1

O público alvo eram pessoas que não tinham condições de pagar por um nutricionista e eram encaminhadas pelo SUS. Era um estágio muuuuito legal. Além de extremamente divertido, nos sentíamos nutricionistas e as pessoas gostavam muito do serviço.

Porém, grande parte das pessoas que frequentavam o ambulatório muitas vezes não tinham condições de ler e escrever. Então éramos orientadas a escrever a orientação nutricional, explicar tudo beeeem bonitinho e ainda lembrar que a releitura da orientação por alguém que fosse alfabetizado era super importante. 

E tinha uma história cômica – para não dizer trágica – de uma aluna que foi fazer a prescrição para um paciente que morava em uma micro cidade do interior, analfabeto com insuficiência renal. Ela havia lido (ou aprendido) que pessoas com insuficiência renal não deveriam consumir carambola. Isso porque a fruta tem uma neurotoxina (caramboxina) que quando entra em contato com o Sistema Nervoso Central causa vários danos, podendo levar a morte. Essa neurotoxina é filtrada pelos rins nas pessoas saudáveis, porém naquelas que tem algum problema renal ela ultrapassa essa ‘filtragem’ e pode causar todos os problemas.

Então ela escreveu na orientação: 

carambola

O paciente chegou na vila que ele morava e pediu para que alguém fizesse a leitura da orientação mais uma vez. Aí já era: quem leu ficou desesperada (o) e mandou cortar todos os pés de carambola do local!!!!!!!!!!!!

 emojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemojiemoji

A informação estava certa, mas colocada de maneira errada. Vejam a diferença:

– Carambola pode matar!

– Carambola pode causar danos – e até a morte! – de pessoas com problemas renais.

E qual a relação da carambola com a internet? Total relação. Histórias similares é o que vejo TODOS os dias no consultório.

Quem é leigo no assunto busca informação. Pessoas que não estão preparadas dão as informações. E eu não estou falando apenas dos marombados/instafitness/blogueiros/ etc etc… tem muito profissional de saúde (infelizmente) falando o que acha que deveria, sem de fato saber do que se trata. E muitas vezes quem passa a informação até entende bem de determinado assunto, mas a forma colocada é totalmente equivocada.

Quando eu escrevo um post, por exemplo, eu leio, releio, peço para alguém ler… Justamente porque fico com um grande temor de como a informação será interpretada. Mas não é todo mundo que pensa assim…

E isso é o que me preocupa nas informações passadas pelas pessoas não especializadas. Quem convive no dia a dia de um consultório sabe que o público ‘leigo’ é muito sensível as informações e o quanto isso pode ser prejudicial. Não só pelo quesito saúde, mas também na relação com o alimento.

Já as informações passadas pelos ‘profissionais’…eu só posso lamentar! O que tem de gente citando péssimos estudos científicos e outras bibliografias para convencer que a última ‘tendência’ alimentar do instagram é verdadeira, dá para dar mais de uma volta ao mundo.

O que o leitor deve fazer?

procure!

Continuar se informando, mas com dados bons! Conversar com profissionais de confiança. Tomar cuidado com as idéias passadas. Diferenciar a vontade de lucrar da informação verdadeira. Ler, ler, ler e sempre duvidar! A curiosidade e a dúvida são muito importantes! E claro, manter a cabeça aberta, think outside the box… Talvez você encontre uma informação que seja totalmente oposta ao que você deseja. Mas lembre-se que nem tudo é do jeito que a gente quer :)

Se isso não acontecer, você pode passar o resto da vida como os conterrâneos do tiozinho do ambulatório: sem nenhum pé de carambola pra contar história!

Mil Beijos e boa semana!

 

assinatura

 

Quem tiver acesso, pode ver aqui o artigo sobre a caramboxina.

Quem não tiver, pode ler um pouco aqui.