No Netflix: Homecoming

No Netflix: Homecoming

Homecoming é o filme/documentário sobre o show de Beyonce no Coachella de 2018. Após um tempo fora de turnê, Beyoncé retornou como atração principal no palco do festival californiano. Como a primeira mulher negra a ocupar essa posição, Beyoncé preparou um verdadeiro show, que fez Khaled apelidar o evento de Beychella, tamanho o espetáculo.

O show não marca somente a volta da diva pop, mas também é uma grande oportunidade de reflexão sobre os negros. Beyoncé convidou estudantes negros de universidades historicamente negras para compor a grande banda universitária, que compartilhou o protagonismo com a cantora.

As mulheres também são lembradas nas letras apresentadas, como Me, myself and I, Run the World, Flawless, entre outras. É um show de cor, música, dança, e até quem não é fã da Beyoncé fica de boca aberta.

Mas em uma das cenas, Beyoncé entra num tema polêmico: dieta.

Read More

Respeitável Fome

Respeitável Fome

Dos princípios básicos do comer intuitivo está ‘respeitar a sua fome', ou ‘honrar a sua fome’. Isso significa não negligenciá-la, perceber como ela surge, como ela se manifesta, e como ela vai embora, através de sinais e sintomas físicos e comportamentais.

2. Honre sua fome: mantenha seu corpo alimentado com energia e carboidratos suficientes. Caso contrário, você poderá começar a comer em excesso. Uma vez que você atinge o ponto máximo da fome, todas as tentativas de moderar e comer conscientemente se tornam passageiras e ineficazes - retirado do texto ‘Comer Intuitivo - Intuitive Eating - GENTA'.

Depois de muitos anos de dietas, restrições e tentativas de emagrecer, esses sinais de fome e saciedade se perdem. Algumas pessoas só percebem que precisam comer quando estão numa escala ‘10’ da fome: sentem dores de cabeça, tremores, irritações intensas e precisam comer o quanto antes.

Read More

Salada Gostosa: um guia

Salada Gostosa: um guia

Hoje postei nos stories, lá no instagram, como eu faço para ter uma salada fresca e gostosa sempre em mãos. Deixei salvo nos destaques, e decidi eternizar em foma de post aqui.

Salada é uma coisa bem controversa. Tem gente que adora, não vive sem. Tem gente que dispensa com facilidade, e esse grupo se divide em duas possibilidades: os que realmente não gostam (questão de paladar, hábito, não dá pra julgar) e os que não curtem porque só entendem salada como aquelas folhas de alface, umas rodelas de tomate e uma cebola picada. Assim eu também não gosto não, prefiro deixar pra lá.

Se você se reconhece como a pessoa que gosta de salada, mas só aquelas de restaurante, bem rebuscadas, esse post é pra você.

Read More

PAZ(coa)

PAZ(coa)

Domingo, 21 de abril de 2019, celebra-se o domingo de páscoa. Os ovos de chocolate, símbolo maior dessa data, já estão nos supermercados antes do carnaval. Produtores de ovos caseiros já estão a todo vapor, e a preocupação com o chocolate consumido também.

Algumas pessoas se negam a comer chocolate: “eu prefiro nem comer, porque se eu como, eu não paro mais", é o que a maioria diz. Se a afirmação não é essa, a justificativa é a seguinte: “o meu problema é que eu gosto de chocolate, sabe?”. Eu costumo lembrar que gostar de chocolate, algo tão gostoso, não é um problema, e sim uma questão de paladar - ainda brinco dizendo que problema é quando você gosta de substâncias estranhas, como shampoo, sabonete, pedra…

E acho sempre importante explicar que ficar sem comer chocolate não é a solução para não abrir essa 'porta’ para o excesso. Muito pelo contrário: restringir só aumenta o consumo na hora da permissão.

E com a páscoa chegando daqui 30 dias, muita gente opta por não comer chocolate até lá, já que quando a data chegar, haja chocolate! Outras procuram soluções supostamente mais saudáveis, como ovos sem lactose, sem glúten e sem açúcar.

Read More

Balança é equilíbrio?

Balança é equilíbrio?

Fiz uma enquete outro dia. Perguntei quem tinha balança em casa, desde quando se pesavam com frequência e com quem haviam aprendido. 60% respondeu que tem balança em casa. Desses 60%, 27% disseram que se pesam desde a infância, e 54% das pessoas que se pesam desde a infância disseram que aprenderam o hábito vendo os pais se pesando.

Se pesar pode ser bom ou ruim: há quem se beneficie do ato de subir ba balança de tempos em tempos, porque isso pode auxiliar a se manter num peso que elas julgam interessante, na ausência de restrições e dietas. Sabe aquela pessoa que tem uma boa relação com a comida, não vive de dieta, nunca tem alterações grandes de peso e vive uma relação de neutralidade com o próprio corpo? Se você é essa pessoa - ou seja, não sofre pra se pesar, não se escraviza pelo número e mantém um peso sem grandes oscilações de número e comportamento - siga no seu hábito.

Read More