Japão: planejamento de viagem

Quem me acompanha pelo instagram viu que estive no Japão mês passado. Fiquei 2 semanas na terra do sol nascente e mostrei tudo por lá. Mas ainda ficaram várias dúvidas e curiosidades, que decidi reunir em alguns posts. Para começar, esse que fala de como me planejei e algumas curiosidades de lá!

Porque ir para o Japão

 Tokyo <3

Tokyo <3

Eu sempre tive vontade de conhecer o Japão. Não sei explicar exatamente porque, mas acho que sempre pensei naquele Japão moderno e colorido que a gente vê na TV. Depois de conhecer algumas pessoas que foram e pensar nas férias desse ano, eu e meu marido decidimos ir para o lá e posso afirmar que foi a decisão mais acertada dos últimos tempos.

O Japão é um país incrível. As pessoas tem um senso de coletividade de deixar qualquer um de queixo caído: lá a palavra cidadania de fato é aplicada. É tudo muito limpo, desde os chãos até os banheiros, além de ser um país silencioso. É um contraste maluco, porque apesar de ser populoso, é também muito organizado. E todo mundo é muito solícito, mesmo com as barreiras da língua. E claro, não preciso nem falar da comida, que é deliciosa!

Como ir para o Japão

Existem vários vôos para o Japão. Eu costumo pesquisar em várias plataformas, dentre elas o SkyScanner, o Google Flight e o Decolar.com, além de usar os sites das próprias cias aéreas. 

Como tínhamos um casamento na Itália resolvemos comprar um vôo São Paulo - Milão e de Milão voamos para Tóquio. Fomos de TAM até Milão e (em tese) de Alitália o trecho Milão Tóquio. Saímos de São Paulo numa terça-feira as 23:00 horas e chegamos as 15:00 da quarta feira em Milão. Dormimos lá e nosso vôo sairia as 15:00 horas (quinta) e chegaria as 11:00 (sexta-feira) em Tóquio.

Mas nosso vôo Milão-Tóquio foi cancelado (aliás, não recomendo voar de Alitalia) e nos colocaram num vôo da Turkish que era norturno. Chegamos em Tóquio na sexta a noite.

Estou contando isso porque, para organizar sua viagem, você deve considerar quantos dias vai perder em vôo. Se for 'direto' (ou seja, fazendo uma escala apenas, sem dormir no local) irá perder 2 dias. Ah, e lembre-se que o dia que você chega lá é muito cansativo, devido ao fuso horário. Isso também entra na conta!

Quantos dias ficar no Japão

Como é uma viagem muito longa e cansativa, sugiro que você fique pelo menos 2 semanas. Dá pra ficar até mais, porque o Japão é um país incansável. Nós ficamos exatos 14 dias.

Antes de ir para o Japão

Para ir ao Japão, você precisa de um visto japonês. É muito fácil tirar: aqui em São Paulo o consulado fica no prédio do Top Center (Av. Paulista) e em uma semana fica pronto. Você entra no site do consulado Japonês, leva todos os documentos preenchidos (todos mesmo!), pega uma senha, entra na fila e depois de um tempinho a moça do visto de chama, faz umas perguntas e você fica de buscar o passaporte dali 2 ou 4 dias (não me lembro ao certo). 

 Kyoto

Kyoto

Se você pretende andar de trem bala (recomendo totalmente) você deve comprar o JR Rail Pass aqui ainda no Brasil. Esse JR Pass é uma espécie de Voucher para andar de trem bala e todos os trens da Linha JR. Nós andamos por 4 cidades diferentes, então valeu muito a pena comprar aqui, mesmo com um preço mais salgado. Mas repetindo: você só pode comprar o VOUCHER daqui do Brasil - lá você consegue comprar o trecho unitário (o que muitas vezes não vale a pena, porque acaba ficando mais caro ainda). Eu comprei pelo site JrPass Brasil e eles entregaram bem rápido lá em casa. 

Moeda

Leve dinheiro! Muitos lugares só aceitam dinheiro! Nós levamos uma parte em Yen (a moeda japonesa) e outra parte em dólar. Para fazer a conversão é fácil: só cortar os dois últimos algarismos do Yen e você saberá o valor em dólar. Ex: 100 yen = 1 dólar. E para trocar dólares lá é bem fácil: eles tem diversas máquinas automáticas, que você insere o dinheiro e troca pela moeda desejada. Não vi nenhuma máquina que trocava reais, somente Euros, Dólares e algumas outras moedas asiáticas.

Planejamento

Nós visitamos 5 lugares diferentes: Tóquio, Hiroshima, Naoshima, Osaka e Kyoto (e passamos um dia em Nara). Eu escolhi essas cidades por vários motivos. Tóquio porque é a capital, e é imperdível. Hiroshima pela história da Guerra; Naoshima porque é uma espécie de Inhotim Japonês; Osaka porque é um polo gastronômico (e a terceira cidade mais populosa do Japão), Nara pelos templos e os veados soltos na cidade e Kyoto pela história e pela beleza (ah, e pelo filme Memórias de uma Gueixa). Ficamos 2 semanas e deu para conhecer BEM cada lugar. Mas o Japão é interminável, então dá para ficar lá quanto tempo você quiser e conhecer mais lugares. Não conhecemos o Mt. Fuji e Hakone, por exemplo. Mas tudo bem, na próxima oportunidade, eu conheço!

Preços

Muita gente me perguntou se é uma viagem cara. Eu acho o conceito de caro muito relativo quando se fala em viagem. Acho que tudo depende do quanto você está disposto a gastar e, honestamente, com nossa moeda desse jeito, acho difícil uma viagem sair barata. As passagens e o trem bala realmente são onerosos, mas o resto depende muito do tipo de viagem que você quer fazer. Se quer ir para andar somente de taxi, comer nos restaurantes mais estrelados, fazer compras e ficar nos hotéis mais chiques, vai ser uma viagem BEM cara - bem cara nível falência. Se você optar por ficar em hotéis menores e menos luxuosos (Hostel, hotéis cápsula, Air Bnb)  andar somente de metrô/ônibus e comer muita street food, é uma viagem totalmente pagável - mas mesmo assim  demanda organização e planejamento.

Hospedagem

Eu sou a louca do booking.com, sou capaz de passar horas lendo reviews, vendo fotos, pesquisando... tudo para achar um hotel bom, limpo, com boa avaliação, um preço que eu possa pagar e numa localização que me permita fazer tudo a pé ou de transporte público. Não tem uma receita mágica, tem que pesquisar e ver o que cabe no seu orçamento. Viajo há pouquíssimo tempo e ninguém me ensinou a bookar um hotel, eu aprendi tudo na raça mesmo, na dedicação. Modéstia a parte, minhas escolhas geralmente são boas e aprovadas - no final coloco os hotéis que fiquei. Mas eu acho que depende da sua prioridade: É preço? Talvez você precise ficar num lugar mais afastado, mas isso não necessariamente é ruim. É conforto? Talvez precise pagar mais caro. Não liga de compartilhar banheiro? Aí você consegue um preço camarada... Eu uso o booking.com e nunca me arrependo, mas existem milhares de outros sites bacanas.

Planejamento

Como disse acima, eu comecei a viajar há pouco tempo, mas parece que viajo há anos! O meu passo a passo do planejamento primeiro começa pela pesquisa: escolho o destino e vou vendo o que tem de disponível para fazer nos dias que estarei lá. Vejo as cidades, leio a história do lugar, vejo filmes, documentários, fotos... Aí começo a pesquisar em blogs e sites sobre o lugar, quanto tempo ficar, como chegar, converso com quem já esteve lá... Com o roteiro em mãos, vou procurar os hotéis. Nas duas últimas viagens procurei ficar em hotéis próximos de estações de metrô, mas sem ser muito na muvuca turística (o que geralmente dá certo). E aí vou montando o roteiro dos locais que quero conhecer, sigo as hashtags dos locais, vejo vídeos no youtube, fotos no pinterest... gasto minha energia na internet até ver o que realmente vale a pena. Enquanto isso aproveito pra já estudar o que verei em cada lugar, assim me poupa um tempo no rolê e consigo otimizar meu tempo. 

Mas também não fico 100% presa nos roteiros. Chegando na viagem, a gente quer mais é curtir um pouco, descansar... Nós (eu e meu marido) gostamos bastante de andar a pé pelas cidades. Andamos muito mesmo! Nessa última viagem, a média foi de 21km/dia! Assim você conhece a cidade toda, com calma, e vê detalhes além do roteiro.

Nesse caso, planejei dessa maneira: 

 Kyoto

Kyoto

18/5 (sexta feira) a 21/5 - Tóquio. Pela manhã, pegamos um trem bala até Hiroshima.

21/5 a 22/5 - Passamos o dia todo em Hiroshima. Pela manhã do dia seguinte, pegamos o trem bala e fomos até Naoshima.

22/5 a 23/5 - Naoshima - Passamos o dia todo em Naoshima. Pela manhã do dia seguinte, pegamos o trem bala e fomos até Osaka

23/5 a 26/5 - Osaka - (passamos um dia/tarde em Nara). Pela manhã do dia 26, fomos para Kyoto

26/5 a 29/5 - Kyoto. Pela manhã, pegamos um trem bala e voltamos pra Tóquio

29/5 a 31/5 - Nos despedimos em Tóquio.

Para facilitar, ficamos no mesmo hotel em Tóquio: deixamos uma mala grande no hotel com tudo que usamos e usaríamos na capital e viajamos com 2 malas pequenas e 1 grande. Foi uma decisão super acertada da nossa parte, porque viajar com muita mala é dose pra leão. 

Malas

Como fomos em Maio, o tempo estava bem ameno. Pegamos uns dias mais frios (mas nada absurdo!) e o resto de muito sol e noites agradáveis. É sempre bom dar uma pesquisada sobre a cultura local: lá no Japão não faz mal entrar de short ou saias nos templos, por exemplo. 

De resto, o Japão é o país das tendências: não existe 'esquisito' por lá. Eu sempre fui a favor de calçado confortável em viagens, jamais entendi aquela montação toda que a gente vê nos blogs por aí, e lá no Japão é melhor ainda porque TODO MUNDO usa tênis. Eu inclusive voltei a própria mulher tênis: já não era fã do salto alto, usava muita sapatilha, e agora estou nesse momento tênis passando muito bem, obrigada. Então meu conselho para o Japão é: conforto.

Dependendo de onde você vai venta muito (Naoshima, por exemplo), então é legal levar sempre um casaquinho - claro, se for na mesma época que eu. No inverno deve ser um gelo danado. 

Língua

Acho que a pergunta que mais recebi foi: e "como você faz para se comunicar lá?" ou "tenho vontade de ir mas tenho medo porque eles não falam inglês". Realmente a questão 'inglês' é diferente: poucos falam com muita clareza, mas mesmo sem saber muito eles fazem QUESTÃO de ajudar. Nem que seja por mímica, tentando desenhar, mostrando algo...

Um dia estávamos no meio da rua procurando um restaurante e um japonês nos parou sem falar uma palavra e viu que estávamos perdidos. Mostramos no mapa o nome do restaurante e ele fez questão de nos levar até a porta. Várias vezes queríamos saber o número da estação do trem e eles deram um jeito de nos mostrar. Foi muito mais tranquilo do que esperávamos e se eu puder dar um conselho é: NUNCA deixe de viajar por causa disso. Com o google e tantos gadgets legais, a comunicação deve ser uma ponte, e não um obstáculo. Para transitar pelos metrôs, as placas sempre estão em japonês e em inglês.

Comida

 Chá verde em todos os locais

Chá verde em todos os locais

O sushi é divino, mas assim como no Brasil, é mais caro. E esqueça o cream cheese, o temaki, a cebolinha.... É tudo bem tradicional, nada ocidentalizado e maravilhoso. E  se você não come sushi, não se preocupe: eles comem muitas outras coisas, como espetinhos (yakitori), o tonkatsu (que é um porco empanado deliciooooooso), o katsu sandô (o porco em pão de miga), muita massa (rámen, udon, sobá, somen) e muitos vegetais. As frutas são difíceis de encontrar, então alguns cafés da manhã tem uma saladinha de repolho deliciosa! Os doces também são muito diferentes mas eu, particularmente, não curti. Gostei muito dos sorvetes - eles amam sorvetes! - e dos kit kats mais variados.

Curiosidades

Para montar meu roteiro, pesquisei algumas curiosidades. Ficamos uma noite em um Ryokan, que é uma hospedaria tipicamente japonesa, onde você dorme no tatame, come a comida Kaiseki (que é um banquete muito tradicional) e pode tomar banho em um Onsen (banho público típico japonês). Essa dica foi de um amigo e valeu super a pena. Para reservar o Ryokan, usei o site Japanese Guests House: lá você pode encontrar um Ryokan super tradicional ou mais moderno. O nosso escolhido foi o Kikokuso, em Kyoto.

Os japoneses não costumam tocar no dinheiro. Nos restaurantes, bares e conveniências (7 eleven) eles tem uma espécie de bandeja para que você coloque o dinheiro/cartão. As moedas (muito utilizadas!) são entregues geralmente na mão, por cima da notinha fiscal. 

Eles são muito educados e falam Arigatô Gozaimasu pra tudo, e geralmente se inclinam para frente para agradecer, despedir e etc. É muito bacana, no final da viagem você está o próprio pêndulo japonês balançando para frente e para trás. 

O lixo no Japão é algo quase sagrado. Não existem lixeiras nas ruas (são pouquíssimas) mas a cidade é limpíssima. Cada um cuida do seu lixo, então se você comprou uma garrafa de água numa Vending Machine e quer jogar fora, guarde e jogue no seu hotel. Não tem essa de pedir pro moço da padaria jogar no lixo dele, por exemplo. Quem for para lá, perceba também como o lixo é muito organizado ao ser colocado nas ruas para que seja recolhido.

 Naoshima

Naoshima

Os locais são muito silenciosos. No metrô, é proibido falar ao celular e o tom de voz usado é bem baixo. No trem bala idem. Você se acostuma com o tempo e consegue aprender o quanto o silêncio é sagrado e não aproveitamos muito.

Os japoneses tem uma facilidade incrível para dormir. É só entrar no metrô que você verá vários cochilando tranquilamente. E eu também vi muitos japoneses embriagados nas ruas. Mas não é uma embriaguez escandalosa: a maioria estava (literalmente!) deitada na sarjeta, algumas vezes passando mal, outras vezes com amigos esperando a pessoa se recuperar do lado.... jovens e adultos! Ao que tudo indica, os japoneses trabalham MUITO e são bem fechados. Por isso dormem tanto e bebem bastante: o álcool acaba sendo uma 'fuga' ou um 'remédio' para conseguir por pra fora todos os sentimentos retraídos. 

Ah, e se você for tomar um saquê, peça o "Japanese Sakê". Se pedir só Sakê, eles talvez não entenderão qual bebida é e perguntarão de novo. Eu provei alguns saquês mas acabei tomando mais cervejas (que eles adoram, assim como a gente!). 

Mais sobre o Japão

Vou depois escrever sobre cada destino, mas antes vou sugerir alguns sites, blogs, filmes, leituras e seriados que assisti quando estava planejando minha viagem!

Os posts do Chicken Or Pasta sobre o Japão - https://chickenorpasta.com.br/2018/guia-basico-de-toquio/

O filme Memórias de uma Gueixa

Os episódios de Mind of a Chef e Ugly Delicious, no Netflix

As sugestões de restaurantes dos seguintes perfis do instagram: @fabmoon, @aleforbes, @melindarjoe, @jeffim_rueda.

O site Eater.com - https://www.eater.com/

O guia do Lonely Planet

Os hotéis que fiquei: 

Tokyo - Park Hotel Tokyo - http://en.parkhoteltokyo.com/ - Recomendo!!!

Hiroshima - Granvia Hotel - http://www.jrhotelgroup.com/en/138.html - Recomendo

Naoshima - Episode 1 - http://www.jrhotelgroup.com/en/138.html - Recomendo

Osaka - WBF Namba Art Stay - https://www.hotelwbf.com/en/ - Poderia ter escolhido um melhor, mas não é péssimo!

Kyoto - Kuu Kyoto - https://www.booking.com/hotel/jp/kuu-kyoto.pt-br.html - AMEI! Melhor hotel da viagem, sem dúvidas!

Kyoto - Ryokan Kikokuso - https://www.japaneseguesthouses.com/ryokan-single/?ryokan=kikokuso - achei muito legal a experiência para uma noite

Espero que tenham gostado e que ajude quem for ao Japão!

Beijos,

Marina